HOMEOPATIA EM VIAGEM


1. Introdução
A Homeopatia tem uma história muito rica no tratamento e prevenção de doenças tropicais. Há inúmeras clínicas homeopáticas em África, na América Central e na Ásia que providenciam tratamento e prevenção para doenças como malária, dengue, febre amarela, febre tifóide e cólera. Dependendo do local e da época do ano em que viaja, assim como do actual estado de saúde do viajante, o período de permanência e o tempo que tem antes de viajar  é possível usar medicamentos homeopáticos para prevenção de doenças (descritas abaixo).

2. Pode consultar os sites:Saúde-UE e CDC sobre a incidência das várias doenças no mundo.
Tal como com as vacinas a Homeo-Profiláxia deve ser iniciada meses antes de viajar para que o sistema imunitário tenha tempo para responder e desenvolver anticorpos e imunidade. Tomar conjuntamente outras medidas de prevenção ajuda a diminuir o risco da maior parte das doenças.

3. Medidas Preventivas:
  1. Evite água e comida contaminada

    •    Beba água engarrafa e faça os possíveis por comer refeições preparadas por amigos ou coma em restaurantes recomendados.
    •    Evite gelo nas bebidas
    •    Adquira filtros ou outros meios de purificar a água enquanto viaja.
    •    Lave toda  a fruta e legumes em água purificada ou use umas gotas de vinagre ou limão.
    •    Evite comida crua  como saladas
    •    Evite comer todas aquelas coisas apetitosas que estão à venda na beira das estradas pois o óleo pode estar contaminado
    •    Lave as mãos com frequência
    •    Viaje com sabão azul e branco
    •    Viaje com  um  Kit homeopático  de viagem


2. Proteja-se dos mosquitos
    •    Use mangas compridas e calças
    •    Durma com um mosquiteiro
    •    Use repelente  de mosquitos
    •    Fique no interior ao entardecer quando os mosquitos aparecem



4. Outras considerações

  • Prepare o sistema digestivo com Probioticos, Colostrum, e Enzimas Digestivos durante um mês antes de viajar.
  • Tenha à mão Carvão Activo para tomar caso haja problemas digestivos eminentes.
  • Siga a dieta BAMT para repor nutrientes (Banana, Arroz, sumo de Maçã, Torradas), no caso de diarreia ou perda de electrólitos.
  • Água de arroz fervido, substância oral de electrólitos, bebidas desportivas ou o homeopático China 30C ou 200C para repor a perda de fluídos vitais da diarreia ou hemorragias.  
  • Nos casos de perda de sangue, extracto de fígado desidratado, ferro e acido fólico.


5. Acção de medicamentos homeopáticos na prevenção de doenças:
Tomar Medicamentos homeopáticos individualmente para prevenir doenças tem o objectivo de preencher a susceptibilidade à doença antes de se ficar exposto a ela, diminuindo a probabilidade de a contrair e caso aconteça os mesmos medicamentos ajudam  na recuperação e diminuem  a duração da doença.


O uso sucessivo de nosódios estimula a produção de anticorpos para aquela doença em particular.


6. Quatro Abordagens Principais


1. Remédios Individuais para doenças específicas. alguns exemplos:

  • Phosphorus para Hepatite A
  • Eupatorium perfoliatum para o Dengue
  • Crotalus horridus para Febre Amarela, ou febre hemorrágica do Dengue ou  Cólera severa.
  • Baptisia para Febre Tifóide
  • Pyrogenium para condições sépticas
  • Camphora, Cuprum or Veratrum album para a Cólera, ou Crotalus horridus, ou Arsenicum dependendo dos sintomas apresentados quando a doença está activa.
  •  Pulsatilla para o Sarampo. São usados individualmente ou em série antes da exposição ou então em caso de se suspeitar de exposição.


2. Nosódios* quando existe probabilidade de exposição a doenças individuais

  •  Malaria nosódio — Malária
  • Typhoidinum — Febre Tifóide
  • Yellow fever nosódio — Febre amarela
  • Dengue fever nosódio — Dengue 
  • Cholera toxin nosódio — Cólera

Usa-se individualmente ou em série, dependendo da incidência da doença.


3. Remédio único para cobrir a totalidade do retrato dos sintomas.
Quanto maior for o espectro de sintomas semelhantes que um medicamento homeopático cobre em termos de sintomas de doença tropicais maior é a amplitude de doenças que previne, por exp.:

  • Phosphorus cobre a sintomatologia para Hepatite A e B, Febre Tifóide, Malária, Febre Amarela e uma variedade de distúrbios digestivos, incluindo vómitos e diarreia. Assim, Phosphorus pode ser considerado um remédio global na prevenção de várias doenças.


4. Combinação de remédios ou séries de remédios, que pode incluir nosódios*, que apontam retratos de sintomas específicos.

Estas combinações têm 6 a 8 remédios comuns para aquela condição em particular em conjunto com um nosódio, exp.:

  • Combinação para Diarreia previne e trata rotavirus, cólera, etc.
  • Combinação para condições Hemorrágicas para processos hemolíticos como Dengue, Tifo, Febre Cólera etc.
  • Combinação  para Malária, contêm o nosódio* da Malária.


7. Potência e Repetição na Prevenção

Os medicamentos podem ser administrados em vários intervalos de tempo em diferentes potências. Uma dose é 3-8 grânulos dos pequenos ou 2 dos maiores.

  • Uma dose seguida de dose tripla (3 doses em 24h) passada uma semana. Quer em 30C ou 200C. ou durante um determinado período com potências ascendentes (200C, 1M, 10M). Habitualmente duas repetições da série é suficiente.
  • Uma dose de um remédio particular repetido semanalmente, quinzenalmente ou mensal, 30C ou 200C.
  • Uma série de remédios repetidos em alternância: uma dose por semana, 30C ou 200C, por exp. para a  malária; Phosphorus, seguido de Arsenicum, depois Natrum muriaticum e por fim China durante uma semana. Uma dose por semana seguida  seguido pelo remédio seguinte. Esta série deve ter inicio um mês antes de viajar e depois repetida durante a viaja.  
  • Dose diária de  6C ou 12C de um remédio único ou combinado.


8. Potência e Repetição na Doença

Activa Cada caso deve ser avaliado em termos da malignidade da doença, da resposta de recuperação, tempo que a pessoa esteve doente antes do tratamento e a severidade com que a doença se expressa. As orientações seguintes juntamente com alguma ajuda específica  determina a melhor potência para a situação.

Para uma orientação específica na gestão de casos activos de doenças contagiosas consulte um especialista da área homeopata ou da medicina convencional. Potências altas (200C ou 1M) 200C podem ser dadas em 2 ou 3 doses num período de 6-24h ou 1M em dose única ou dividida (repetida após 12h). Preveja melhoras dentro da hora seguinte à administração do remédio, seguido das doses seguintes para completar o processo.


Se a doença chegou ao ponto do colapso e houve muita perda de fluidos vitais e esgotamento por febre muito prolongada, etc. o remédio pode ser dado em potência baixa (30C) repetido com frequência (cada 2-6 horas), ou 200C dissolvido em água e bebido aos golos cada 20 minutos para ajudar o paciente a recuperar forças. O  apoio com líquidos e outras medidas adjuvantes veja em cima). Se a doença se transformou em estado crónico, ou nunca mais se sentiu bem ou tem recaídas, repetir continuamente 30C ou 200C durante várias semanas conjuntamente com medidas adjuvantes, trará a saúde de volta.   Se a doença já passou há meses mas ainda sente alguns efeitos uma  dose do seu nosódio, seguida por uma dose tripla  uma semana mais tarde activará o mecanismo de cura do corpo e a condição a que se estava submetido limpa. Preveja uma febre curta ou a recorrência de sintomas da altura da doença original ou surgirá o retrato claro  de um medicamento constitucional.


9. Notas e palavras de precaução

Dependendo da susceptibilidade da pessoa e do tempo que se tem para preparar a viagem, nem toda a doença pode ser prevenida nem sequer é razoável tomar uma quantidade de medicamentos para prevenir toda a doença a que possa estar sujeita. Eventualmente na consulta do viajante do Instituto de Higiene e Medicina Tropical podem dar a impressão que não há problema em tomar 8 vacinas diferentes de uma só vez e milagrosamente tem se automaticamente imunidade a todas aquelas doenças. A verdade é que para estimular o sistema imunitário para de defender de cada uma daquelas doenças, as vacinas devem ser dadas uma de cada vez, ao longo de um período e em série. Muitas vacina de uma só vez têm os seus riscos. O “síndroma da Guerra do Golfo” e anos de saúde precária são exemplos comuns da consequência desta metodologia de sobrecarregar o sistema imunitário com imensas vacinas de uma só vez.  Do mesmo modo, muitos medicamentos homeopáticos, especialmente sem qualquer relação com a susceptibilidade da pessoa, embora não sejam tóxicos, podem também ter um efeito pernicioso na saúde. 


Deve distinguir-se entre o medo pessoal de contrair uma doença em particular e o risco real de a contrair e só depois pedir conselho para a prevenção, dependendo dos planos da viagem e da real exposição à doença. A confiança na própria saúde e no poder para lidar com situações agudas é a chave para decidir qual a prevenção a fazer.



* nosódio: remédio homeopático preparado a partir de  material patológico: órgão ou tecido, agentes patogénicos, secreções ou descargas de uma pessoa infectada.